Mecha

Platinados, coloridos ou não, “mechas” são sempre sinônimos de batalhas épicas. Mas calma, não estamos falando de super madeixas. MECHA (leia-se: méka) vem da palavra inglesa mechanism (mecanismo) e significa robô gigante, podendo ou não ser controlado por uma pessoa e geralmente semelhante a pessoas ou animais.

Mecha também é um gênero literário, que trata de histórias com robôs, geralmente gigantes. O conceito de mecha está relacionado ao de exoesqueletos, na ficção científica, que seriam estruturas vestidas por uma pessoa, capazes de ampliar suas forças e movimentos. A diferença é que um exoesqueleto é “vestido” pelo piloto, enquanto um Mecha é pilotado por controles ou mentalmente.  

A primeira aparição de mechas em histórias literárias se dá em “Steam Man of the Prairiesis” (1868) de Edward S. Ellis e em “La Maison à vapeur” (1880) de Júlio Verne, onde robôs e máquinas existem e fazem parte da narrativa das histórias. Mas é “Guerra dos Mundos” (1898) de H. G. Wells que se considera a origem desse gênero, no qual Mechas gigantes chamados de Tripods, controlados por marcianos são usados para aniquilar a humanidade com raios de calor.

Em produções japonesas, esse gênero ganha um enorme destaque. Logo nos primeiros filmes da saga, Godzilla precisa enfrentar uma ameaça produzida pela humanidade para derrotá-lo, o Mechagodzilla. Esse embate perdura até as obras mais recentes em “Kong vs Godzilla” (2021). Já nos Animes, temos exemplos como Evangelion, com robôs gigantes pilotados por humanos; Gundam, grande responsável em popularizar o gênero mecha mundo afora; e é claro, Tetsujin 28-GO, o primeiro anime do gênero de 1963.

Eles também estão nos games, como no clássico Sonic: temos inúmeros Mechas criados pelo Dr. Robotnik, sendo o principal deles um dos maiores inimigos do ouriço, o Mecha Sonic. E não poderíamos esquecer de jogos como a franquia Titanfall e Armored Core em que Mechas são controlados durante o gameplay.

E aí, conta pra gente: qual seu Mecha favorito?

.

.

.

#prismaespaçogeek #prisma #pmpf #cultura #tecnologia #educação


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *