Cringe

Se você é desse planeta, já deve ter ouvido falar na palavra “cringe”, se caso você chegou agora de uma galáxia distante, a gente te explica, afinal curtimos mochileiros de outras galáxias.⠀

CRINGE: Verbo da língua inglesa que significa sentir-se constrangido ou envergonhado por algo. É, porém, empregado em português como um adjetivo significando vergonhoso, ou cafona.

Não se sabe exatamente como o termo “Cringe” surgiu, mas ele já vinha sendo usado a um tempo, mas de uma forma bem discreta, até recentemente um tweet de Carol Rocha que levantou a revolução entre as gerações.⠀

A discussão rola solta pois o termo está sendo usado pela geração Z ou “zennials” (nascidos a por meados dos anos 2000 até 2010), para chamar os hábitos dos millennials ou geração Y (pessoas que nasceram no início dos anos 1980 e até meados dos anos 2000), de cafonas ou fora de moda. Afinal falar “cafona” ou “fora de moda” com certeza é cringe.

Choques de gerações ocorrem toda hora, seja no estilo das músicas (rock, romântica, punk, k-pop), nas roupas (pochete, crocs, conga, wide leg), nos meios de comunicação (carta, MSN, telefone, Whatsapp), a lista é longa.

Você toma café? Fala de boletos? É fã de Friends e Harry Potter? Se sim, há fortes indícios de que você seja, para a geração Z, uma vergonha alheia e, se caso você não é “cringe” logo o seu dia chegará, pois coisas que você curte agora podem ser vistas como constrangedoras para as próximas gerações.

Além disso existem outras gírias que os “zennials” usam, para se comunicar com sua geração, que visto de fora por “millennials”, “boomers” e “zennials” são quase incompreensíveis como:

– redpill: que é algo cool (legal) ou descolado.

– based: sendo o oposto de cringe é usado para descrever pessoas sensatas.

– doomer: serve para descrever baixo astral, sentimento de tristeza.

Antiquado, clichê, brega ou não, o mundo dá voltas e daqui a pouco você está no hype de novo, mas antes disso conta pra gente: qual seu hábito mais cringe?

.

#prismaespaçogeek #prisma #pmpf #cultura #tecnologia #educação


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *